bookmark bookmark  
Glenda DiMuro On September - 22 - 2012

Conviene saber que un jardín planeado de manera muy rigurosa, en el estilo de los «parques a la francesa», compuesto de macizos, canteros y arriates dispuestos geométricamente, exige competencia y muchos cuidados. Por el contrario, en un jardín de tipo «inglés» los fracasos del aficionado se disimularán con más facilidad. Algunos arbustos, un cuadro de césped, y una sola platabanda de flores mezcladas que se destaquen netamente, son los elementos esenciales de un conjunto muy decorativo y muy practico. Si por desgracia algunos ejemplares no dan los resultados previstos, será fácil reemplazarlos por medio de transplantes; no por ello se advertirá imperfección o descuido en el conjunto, pues las demás flores, dispuestas en manchas de superficie, altura y color distintos, formarán siempre un grupo satisfactorio para a vista. Esta manera de plantar, muy apreciada en Inglaterra y los Estados Unidos, se designa con el nombre de mixed border, es decir, cantero mezclado. Las flores así dispuestas, que se mezclan, se confunden y desbordan una sobre otras como si hubieran crecido espontáneamente, darán a su jardín un aspecto campestre y natural, mientras que las plantaciones alineadas, en cuadros y en círculos, tienen siempre un carácter artificial y exigen una perfección absoluta. Así, por razones tanto prácticas como estéticas, cabe aconsejar el arreglo en mixed border al jardinero aficionado”  (CORTÁZAR, Julio. Rayuela).

Desde que aprendi o que era uma pá escuto que a gente colhe o que planta. Plante seu jardim, decore sua alma. Mais clichê impossível.

Já tive diversos jardins e faz alguns anos que construo o meu atual. Mas a cada dia que passa, eu tenho certeza que as espécies que escolhi são de difícil crescimento. Pode ser que eu não tenha usado a terra adequada, ou que seja necessário um pouco mais de água.

Já mudei o volume dos vasos. E também a cor. Já troquei de lugar, coloquei no sol e provei a sombra. Já testei a meia-sombra.

Tem dias que algumas flores ousam aparecer. Mas a fase é de pouca cor, pouco verde. Muita coisa secando antes do tempo.

O fato é que estou cansada de tanta erva daninha. Fertilizantes, quem sabe? Não, vou tentando o caminho natural, sem aditivos. Ainda não cheguei à fase dos químicos.

Nunca nenhum dos meus jardins chegou aos pés de um francês. E jamais foi minha intenção. Sou muito espontânea para isso. Nos meus planos eu queria um jardim bonito, que transbordasse felicidade sem uma perfeição absoluta. Nada mais.

Acho que sonhei demais. Não sei se estou sendo uma boa jardineira, se descuidei em algum momento ou se foram os fatores externos que influenciaram. Hoje vejo que minha tentativa de construir um mixed border parece ter entrado em colapso.

Alguns dias eu acordo com vontade de pegar uma enxada e revirar toda a terra. Mas já não tenho a coragem que tinha anos atrás. A idade deixa a gente mais medrosa. Antes de morrer, algumas plantas deixam um brotinho, uma espécie de esperança de seguir crescendo. Embora seja eu quem comande, não consigo ignorar essa vontade de continuar fazendo parte do meu jardim. A idade deixa a gente mais ponderada.

O problema é que medo e ponderação, quando juntos, são perigosos. Corremos o risco de não sair do lugar e definitivamente isso não me agrada.

Quem sabe a nova estação que chega hoje traga consigo mudanças. Aqui no hemisfério norte quem vem é o outono. Não há de ser nada. Perderemos as folhas, sobrarão as raízes fortes e, no final, quem sabe a solução vai ser mesmo plantar tudo de novo. Tudo diferente.

*****

Qualquer semelhança com manual de jardinagem é mera coincidência.

Categories: Cotidiano

6 comentários

  1. Lidi says:

    Oi Glenda, olha eu nasci e cresci no interior do RS, e nunquinha da silva consegui fazer uma roseira dar certo. Sou um zero a esquerda nisso, tão completamente q acho q até um cactus morreria se eu tivesse um. Mas continue tentado deve estar faltando so algum detalhe e vc vai descobri-lo. :)

  2. Luiz Peter says:

    não desiste, é assim mesmo que se aprende. se fosse só para foto poderias montar o “jardim ideal” com flores de plástico não é mesmo… continua e conseguirás

  3. Luiz Peter says:

    a sustentabilidade de um jardim nesse clima daí é que me parece incompatível. a natureza supera nossas vaidades né? as coisas só fluem nos lugares certos.

  4. mirelle says:

    tenho a impressão que você não esta falando de plantas.

Deixe o seu comentário

Glenda Dimuro