Morar Fora

7 dicas pra um intercâmbio barato

Realizar o sonho de fazer um intercâmbio pode ser muito mais barato do que você pensa. Falei sobre isso numa entrevista pra o caderno de Economia do Jornal do Commercio (do Recife), publicada no último fim de semana. Neste link dá pra ler o começo do texto e conferir os valiosos conselhos de alguns especialistas, mas como a matéria completa só tá disponível pra assinantes, resolvi reunir as dicas que dei pra repórter e trazer aqui pra vocês \o/ Acaba sendo um apanhado bem mais amplo do que minhas “aspas” publicadas, já que aqui não tenho limitações de espaço – ah, as maravilhas da internet! ;) Vamos lá:

1. Determine seus objetivos

Existem várias formas de viajar gastando relativamente pouco, mas tudo depende do seu objetivo. Não se afobe! A viagem que fulaninho fez pode não ser a ideal pra você, por mais barata que tenha saído; pesquise, se informe e você provavelmente vai encontrar uma opção que corresponde às suas expectativas, o que torna o investimento muito mais válido.

2. Procure uma bolsa de estudos

Acho que não existe forma mais econômica de viajar do que quando uma instituição lhe paga pra isso, né? hehe. Por isso, vez ou outra bato na tecla da bolsa de estudos – que me permitiu fazer mestrado na Espanha, entre outros cursos mais curtos. Procurar uma que lhe interesse e pra qual você esteja apto a se candidatar, preparar tudo e se inscrever dá trabalho, mas é mais palpável do que muita gente pensa. Escrevi vários posts sobre o assunto, que tão dentro da tag “estudos” aqui no blog, mas comece lendo por este aqui. E vá se preparando o quanto antes! Estude o idioma-alvo e faça outras atividades que podem transformá-lo num candidato interessante pra uma bolsa.

3. Vá pra um país onde pode trabalhar

Outra opção é viajar pra um país onde você possa trabalhar legalmente, como Irlanda, Austrália e África do Sul. Existem vários programas, através de agências de intercâmbio, que combinam estudo (aula do idioma local) e trabalho (alguns exemplos aqui, aqui e aqui), enquanto outros são só de trabalho, indo desde estações de ski e lanchonetes a acampamentos, passando por um específico pra Disney e pelos programas de au pair (babá). Via de regra, quanto mais alto seu nível da língua, maiores são suas chances de achar uma vaga interessante e bem remunerada.

A maioria desses é nas férias (e alguns são restritos a estudantes universitários), com exceção do programa de au pair, que é a opção mais barata de longa duração. Em países como os EUA existem leis que regulamentam a atividade e o investimento é bem baixo (de acordo com a matéria de Gabriela López, em torno de R$ 2 mil de taxas pra agência + passagem e custos de passaporte, visto etc.). O melhor é que além de ter hospedagem e alimentação oferecidos pela família com a qual você vai trabalhar, você recebe um salário que cobre outras despesas, como viagens, comprinhas e lazer (nos EUA, o mínimo são 200 dólares semanais). Entre as agências que oferecem o programa estão a CI e a Experimento. Também é possível fazer o programa na Europa, como minha amiga Luzi, que tá morando na Alemanha e conta suas experiências aqui.

Mesmo trabalhos fora da sua área de formação são experiências muito enriquecedoras, mas tem também os estágios que lhe permitem trabalhar com o que você estuda/estudou – mas é preciso ficar atento, porque muitos deles não são remunerados. Pra esses programas, dá pra procurar agências de intercâmbio (como essa) ou associações como IAESTE e AIESEC. Costuma haver mais vagas pra quem é de hotelaria/turismo ou ciências exatas, mas vale a pena procurar algo que se encaixe pra você. Os programas que não são remunerados geralmente incluem alimentação e acomodação pagas pelo empregador, o que já alivia muito o orçamento.

4. Viaje por conta própria

Se nenhum dos programas anteriores lhe interessar e você só quiser estudar um idioma, por exemplo, eu sugiro viajar por conta própria. Pra quem não tem experiência em viagens isso pode ser mais complicado, mas se você tiver segurança, vale muito a pena pesquisar orçamentos não só com agências de intercâmbio aqui no Brasil, mas também direto com escolas (de boa reputação, o que dá pra verificar com conhecidos ou online) nos possíveis países de destino. Foi o que eu fiz no meu terceiro intercâmbio, quando fui estudar francês na Alliance Française em Lyon (falei sobre a experiência aqui e aqui).

Outra forma de economizar é com a hospedagem: muitas agências oferecem acomodação em casas de família ou studios, mas os preços costumam ser bem salgados. Se você for pra uma cidade com vida universitária, é bem provável que encontre um quarto em um apartamento compartilhado com outros estudantes ou em uma residência estudantil por um preço muito mais em conta. Hoje em dia, existem muitos blogs onde as pessoas compartilham experiências, grupos no Facebook pra quem tá procurando apartamento (falei aqui de como achei o meu em Budapeste, por exemplo). Ou seja: dá pra fuçar opções mais baratas sem precisar dar um tiro no escuro.

5. Procure um lugar com baixo custo de vida

Esse fator, mencionado pelos outros entrevistados na matéria, é importantíssimo. Uma dica geral é evitar capitais, porque os preços costumam ser bem mais altos, principalmente pra hospedagem. Além disso, procure saber o custo de vida do país. Se você quiser ir estudar inglês, por exemplo, a Inglaterra é uma opção cara, mas existem muitos outros destinos igualmente interessantes e mais baratos (olha quantos países têm o inglês como língua oficial!).

Outro exemplo clássico é o caso do espanhol: se você não pode ir pra Espanha, onde o euro triplica os custos, e quer fugir da grande quantidade de brasileiros em destinos populares como Buenos Aires, que tal procurar uma cidade menor na Argentina, como Mendoza ou Córdoba, ou então ir pra um país diferente, como Costa Rica ou Uruguai? Falei sobre meu primeiro intercâmbio, em que estudei espanhol na Argentina, aqui.

6. Tenha uma “atitude econômica” em relação à viagem

E outro fator importante é sua atitude: se quiser fazer uma viagem econômica, é preciso desapegar de coisas supérfluas e aprender a ser mais flexível. Tem gente que só gosta de viajar com dinheiro sobrando, podendo fazer mil compras e ficar em bons hotéis. É claro que poder se dar ao luxo de ser mão aberta é ótimo, mas se não for seu caso, não desanime! Procure um programa de intercâmbio barato, junte a grana necessária e um extra pra emergências e incorpore uma atitude econômica durante a viagem ;)

No meu segundo intercâmbio, pra Sevilha, eu tinha bem pouca grana, mas nem por isso deixei de aproveitar. Apesar de não poder rodar a Europa inteira, comprar todas as araras da Stradivarius e comer num restaurante diferente a cada dia, estudei muito, conheci vários lugares legais, fiz muita farra, fiz amigos e voltei cheia de boas lembranças.

Comer e beber em casa, por exemplo, são hábitos simples que barateiam muito o dia a dia. Se estiver na Europa, a vontade de viajar é inevitável, com tudo tão pertinho, mas você pode dar prioridade às companhias aéreas “low cost”, que fazem promoções absurdas (falei sobre elas aqui), e pesquisar passes de trem.

7. Planeje-se, pesquise, informe-se!

A dica final serve pra qualquer viagem e é essencial pra quem não quer gastar mais do que deve. Quando você se planeja com antecedência, além de poder parcelar alguns gastos e conseguir tarifas mais baratas pra outros, você tem mais tempo pra pesquisar sobre o destino. E quanto mais informação você tiver, mais difícil cair em roubadas e ter gastos imprevistos ou desnecessários.

Pesquise, por exemplo, sobre lugares baratos para comer, opções de transporte mais econômicas (como um cartão mensal para o transporte público, existente em muitos países, ou a opção de comprar ou alugar uma bicicleta), supermercados com descontos (na Espanha, por exemplo, muitas redes têm produtos da “marca branca” por preços bem abaixo das marcas mais populares e com qualidade similar), entre outros fatores que podem aliviar muito seu bolso. A internet tá aí pra isso, gente! \o/

Contrate seu seguro viagem com desconto na Mondial Assistance
Pesquise e reserve hotéis com os melhores preços no Booking
Alugue um carro nas melhores locadoras com a Rentcars e pague em até 12x
Procure a casa de câmbio com a melhor cotação da sua cidade 

Quando você usa esses links, o blog ganha uma pequena comissão pra se manter vivo e você não paga nada a mais por isso. <3 Saiba mais sobre as políticas de monetização do Janelas Abertas clicando aqui.

Pra conferir muito mais conteúdo sobre viagens todos os dias, siga o Janelas Abertas no Facebook, no Instagram e no Youtube. Espero você lá! :)

Posts Relacionados

94 Comentários

  1. Cleodon

    Luisa adorei a matéria e parabéns pelo blog.

    • Luísa Ferreira

      Que bom que você gostou, Cleodon! Muito obrigada ^^ Volte sempre!

    • Americo

      Oi Luíza, pra ir fazer um intercambio em lyon é necessário ja falar algum idioma…
      e mais ou menos quanto ficaria o valor total do curso por 4 semanas?

      • Luísa Ferreira

        Oi, Americo! Você pode ir “zerado”, porque tem turmas de iniciante, mas eu recomendo estudar ao menos o básico pra poder se comunicar no começo e aproveitar melhor essas quatro semanas :) Sobre os valores, você encontra no site da Alliance: http://www.aflyon.org/Tarifs-et-calendrier/Tarifs-des-cours

        Um abraço!

        • Americo

          Luíza, primeiramente obrigado por responder meu comentário… Posso resolver toda a burocracia da viagem eu mesmo, sem precisar de uma agencia?
          e nesse caso como é o processo de visto para entrada no país?
          Estou fazendo faculdade e planejando fazer um intercambio quando me formar.
          Desde já agradeço.

  2. Um dos melhores posts sobre intercâmbio que já li até hoje! Muito bem Luiza!

    Eu estou em Lima, no Perú por conta própria… para uma primeira experiência está sendo sensacional!

    Com as suas dicas começo a planejar meu próximo destino.

    O seu blog está muito bacana. Parabéns!

    • Luísa Ferreira

      Muito obrigada, Aline! :D Fico muito feliz com o comentário. Que massa estar no Peru sozinha, quero fazer isso um dia! Desejo muitos novos destinos no teu futuro ^^ Um abraço :)

    • Aline Piologro li que você está no Perú. Já estou enlouquecendo aqui na internet buscando universidades, bolsas, algo que me ajude nessa viagem que já quero para o início desse próximo ano. Seria taaaaaaaaaaaão bom se tu me falasse um pouco da tua experiência por aí. Iria me ajudar BASTANTE! Se puder, manda um e-mail pra mim e mantemos contato. Desde já fico grata. Beeijo :*

  3. julia rodrigues

    Boa noite! Eu estou querendo fazer intercambio na Argentina e li seu post e gostei muito. Entrei no site do COINED e vi que existem varios cursos. Qual que voce fez? e quanto tempo ficou? Eu estou querendo ficar uns 3 meses pois já tenho lugar pra ficar lá de graça, acha que é muito? E quanto era mais ou menos seu custo de vida mensal? Obrigada!!! Bjs

    • Luísa Ferreira

      Oi, Julia! Passei um mês e fiz o curso intensivo, com 15 horas/aula por semana (três horas por dia). Pensei em fazer o superintensivo, mas era mais caro e eu queria ter tempo livre pra explorar a cidade. No fim das contas, achei melhor mesmo contratar primeiro essa opção mais básica e, se for o caso, adicionar aulas extras ao chegar lá mesmo. Que bom que você tem lugar pra ficar! :) Acho três meses um período de tempo ótimo. Em relação ao custo de vida infelizmente não tenho como dizer, porque já se passaram 5 anos e meio e não me lembro bem; sem falar que os custos lá mudaram muito desde então, com as alterações na economia. Um abraço!

  4. Allan komiyama

    Olá luiza, adorei o post, me ajudou muito a começar a pesquisar sobre meu primeiro intercambio q quero fazer, so que eu estou umpouco perdido, eu moro no japao, e estava querendo ir para australia , mais as agencias estao me deixando umpouco desanimado, estao colocando um preço bem salgado,
    Gostaria de uma ajudinha pra conseguir um preço mais acessivel pra essa aventura, e aprendizado em um pais novo,

  5. Jonas

    tenho 5000 na mao e nao sei se devo juntar mais ou ir pra paises baratos? oq fazer? oq aconselha? quero apenas uma experiencia fora do brasil.. seja nos estados unidos ou no peru

    • Luísa Ferreira

      Oi, Jonas! É difícil aconselhar nesse sentido, depende mesmo de você :) Se o que você quer é uma experiência fora, não importando muito o destino, eu iria pra um destino mais barato com certeza. Mas sobre juntar mais ou não, depende da sua pressa/disponibilidade de tempo e tal. Quanto mais grana, mais tempo você vai poder passar e mais coisas vai poder fazer (como viajar dentro do país escolhido ou pra países vizinhos, por exemplo). Seria interessante escolher algumas opções de destinos que lhe agradem e ir pesquisando os preços pra cada um deles ;) Um abraço!

  6. Isabella Monte Mor

    Ola, para me dar uma noção,quanto ao todo mais ou menos vc gastou com essa viagem?

    • Luísa Ferreira

      Oi, Isabella! Qual viagem? No post eu comento sobre vários intercâmbios que fiz… Um abraço.

  7. Silvania

    Adorei seu blog parabéns !!!

    • Luísa Ferreira

      Que bom que você gostou, Silvania! :) Obrigada pelo comentário! Um abraço

  8. Vania Rocha Simões

    Oi, já estudei 1 mes de francês em Montpellier, França e gostaria de estudar mais. Procuro um lugar barato para estudar mais 1 mês

  9. fabio

    ola!!! gostaria de saber se voce conhece pessoas que estudaram nos EUA, e que tenham ido por conta própria. se tem alguma indicação de escola e tal… obrigado aguardo sua resposta

    • Luísa Ferreira

      Oi, Fabio! Infelizmente não conheço :/ Se alguém quer ler esse comentário tiver alguma indicação, ajuda Fabio aí, por favor! ;) Um abraço

  10. Lucas Duarte

    Boa Noite, vi que você fez 5 intercambios.
    Gostaria de saber quais foram, e qual deles você notou que
    foi o mais em conta?

    Grato.

  11. Graziela

    Oi, Luísa. Estou interessada em fazer um intercâmbio e nem sei por onde começar, pensei em Portugal você poderia indicar algum meio de fazer a viagem por conta própria? estou perdida não sei nem por onde começar. Adoro seu blog.
    Me ajude, por favor. Um abarço

    • Luísa Ferreira

      Oi, Graziela! Que tipo de intercâmbio você quer fazer? Você está na faculdade? Um abraço

  12. Gabriela Tomasi

    Olá Luisa, tenho 21 anos, sou estudante de Medicina e meu sonho é ir para Europa. Penso em ir no período de férias, ficar três meses (Dezembro-Janeiro-Fevereiro), tenho inglês fluente e bastante experiência, por isso penso em arranjar um emprego lá, porém estou tendo muuita dificuldade de achar. Vi seu blog e vi que você entende bastante de viagens, acho que talvez você poderia me ajudar. Se há algum site que recruta brasileiros pra trabalhar por três meses, ou então uma empresa confiável.
    Obrigada pela atenção

    • Luísa Ferreira

      Oi, Gabriela! Uma possibilidade é você buscar através de sites como o WWOOF (pra trabalhar em fazendas orgânicas), HelpX ou World Packers (pra trabalhar em albergues, hotéis etc.) :) Boa sorte!

      • Gabriela Tomasi

        Obrigada Luisa pela ajuda…minha única preocupação é que não quero ficar ilegal hehe

  13. Igor

    Oi Luísa, eu pesquiso muito mas não consigo achar algo ” barato”. Tenho aproximadamente 7000 reais e queria muito vivência em um país de lingua inglesa. Poderia dormir em igrejas, qualquer coisa para baratear a viagem, mas todas as pesquisas que faço eu acho absurdamente caro. Estou pensando em viajar no período dezembro/janeiro(2 meses), que é quando estou de férias na faculdade e até lá ir estudando inglês aqui para chegar no país com um inglês melhor. O que poderia me indicar ? Pensei no Canada ou Africa do Sul. Só tenho essa disponibilidade ou nas ferias do meio do ano, em Julho. Obrigado pela atenção

    • Luísa Ferreira

      Oi, Igor! Em geral, o que recomendo pra baratear é buscar os valores de cursos direto com as escolas, em vez de usar as agências de intercâmbio, e buscar acomodação alternativa (Couchsurfing, aluguel de apto, trabalho em hostels etc.) Você já pesquisou opções de trabalho + curso, nesses programas oferecidos pelas agências? O “salário” do trabalho pode ajudar a reduzir os custos. Tem um post que vai entrar amanhã sobre trabalho em troca de acomodação e hospedagem pelo mundo, dá uma olhada!

  14. Robson Souza

    Muito esclarecedor! Parabéns pela iniciativa e generosidade! Sucesso!

    • Luísa Ferreira

      Muito obrigada, Robson! ^^ Que bom que você curtiu o post. Um abraço!

  15. Kelly

    Luísa muito obrigada pelo seu retorno! E por todo o suporte que você nos dá, vou ler tudo! Além da ânsia que eu estou por fazer meu primeiro intercâmbio, mas com os pés no chão para me planejar!

    • Luísa Ferreira

      Massa, Kelly! Aproveite :)

    • Luísa Ferreira

      Oi, Anna! Obrigada pelo comentário! :) Vocês oferecem bolsas de estudos? Vou dar uma olhada na página. Um abraço!

  16. Oi, eu estou querendo fazer um intercambio ano que vem e quero saber se nao dá confusao fazer tudo por conta propria, se nao dá problema na escola e na moradia, já que ficaria em casa de familia, sem uma agencia como ficaria?

    • Luísa Ferreira

      Oi, Alana! Pra ficar hospedada em casa de família é preciso uma agência ou algum tipo de intermediário que se encarregue do processo. Em relação à escola e a outros aspectos da viagem, se der algum problema você terá que resolver sozinha… Se não se sente segura, melhor procurar uma agência mesmo! Nunca dá pra ter 100% de certeza, mas pesquisando bastante é mais difícil se dar mal ;) Um abraço!

  17. Mariane

    Oi, estou pensando em fazer um intercâmbio para a Austrália, não sei nada de inglês! A cidade que me interessou foi Perth, você conhece? O que me diria sobre lá? Eu iria para aprender inglês, faço faculdade de biologia, na sua opinião acha que eu deveria me formar antes de ir? Ou as oportunidades são as mesmas? Abraço.

    • Luísa Ferreira

      Oi, Mariane! Se você quer viajar pra estudar inglês, a decisão de ir agora ou depois depende de você :) Se você ainda estiver no início do curso, talvez valha a pena viajar durante as férias (dois meses) ou trancar um semestre ou mais pra fazer o intercâmbio, se você não tiver pressa pra se formar. Depende muito das suas preferências e objetivos! A sua faculdade tem convênios pra programas de intercâmbio acadêmico? Se tiver, talvez fosse legal estudar inglês e tentar participar de um desses programas. De qualquer forma, recomendo que você aprenda um pouco o idioma antes de viajar, porque chegar lá “zerada” não é tão interessante; com o nível básico você já consegue se comunicar e fica mais fácil avançar no idioma :) Sobre Perth infelizmente não conheço, ainda não fui à Austrália! Um abraço

  18. Carolina Lima

    Olá, Luisa.

    Achei muito legal o seu site.
    Gostaria de fazer intercambio (estudar idioma e trabalhar). Vi que você dá algumas sugestões de agências. Todas elas são confiáveis?

    Um grande abraço, Carolina Lima.

    • Luísa Ferreira

      Oi, Carolina! A única agência que já usei foi a STB, mas tenho boas referências da CI e da Experimento :) Um abraço!

  19. daniel rodrigues

    oi luisa curti muito seu blog, eu queria muito ir para a italia, estou cursando gastronomia, nunca fiz intercambio, só tenho inglês intermediário, o que me desanima é o preço do euro que vi esses dias, misericórdia esta alto demais :(

    o/

    • Luísa Ferreira

      Oi, Daniel! Que bom que você gostou do blog, valeu ^^ Realmente o Real tá desvalorizado no momento, né :( Mas vai juntando! E pra quem estuda gastronomia, turismo e hotelaria existem muitas oportunidades de intercâmbio pra fazer estágios no exterior… Dá uma olhada em agências como CI e STB e na organização Aiesec :) Boa sorte!

  20. Eduardo Santos

    Bom dia Luisa,
    gostaria de fazer intercambio para outro Pais afim de aprender o idioma inglês,
    queria saber se tem alguma opção para vc ir e trabalhar para pagar seus estudos .

    • Luísa Ferreira

      Oi, Eduardo! Sim, existem várias opções de programas que permitem isso :) Alguns países são Irlanda e África do Sul. Dá uma olhada nos sites de agências de intercâmbio (alguns exemplos são STB, IE e CI) pra ter uma ideia e depois vai pesquisando a partir disso ;) Um abraço!

  21. Gabriella

    Oi Luisa! Gostei muito do seu site e de todas suas dicas!
    Meu sonho é fazer um intercambio mas não sei por onde começar.
    Faço pré vestibular, e pretendo entrar na faculdade no próximo ano. Porém, ainda não descobri um curso que me cative de verdade. Por isso, e também por essa imensa vontade de ir para outro páis, gostaria de fazer um intercambio. Você acha que compensa fazer um no próximo ano em vez da faculdade? Eu não tenho pressa… Quero me formar em algo que realmente gosto! E se sim, por onde posso começar a procurar um intercambio?
    E em questão de bolsa, vc sabe me informar onde posso tentar conseguir?

    Muito obrigada.

    • Luísa Ferreira

      Oi, Gabriella! Se você ainda não está segura sobre a graduação que quer cursar (acredito que a maioria de nós não sabe direito o que quer quando sai do colégio – acho muito cedo mesmo), fazer um intercâmbio, viver outras experiências e se conhecer melhor pode ser uma boa ;) Só é bom levar em consideração algumas coisas, como o fato de que é mais fácil conseguir bolsas ou pelo menos isenção de taxas dos cursos quando você faz um intercâmbio de graduação, por exemplo, e também que ficar fora por um tempo pode te fazer esquecer algumas coisas do pré-vestibular… Se você tiver como pagar por um semestre de curso de idiomas, seria uma boa opção colocar a faculdade pra segunda entrada e viajar antes. Caso você mude de ideia sobre o curso, faz outro vestibular; se não, começa e vê no que dá :) Outra opção também é fazer intercâmbios mais curtos do tipo em que você trabalha (em lojas, restaurantes, estações de ski etc.) de forma legal e pode também estudar ou viajar. Dá uma olhada nos sites de agências de intercâmbio que você vai ver vários programas disponíveis. Sugiro STB, CI e IE pra começar a pesquisa (mas só viajei pela STB e não tenho referências pessoais das outras). Um abraço!

  22. Fernando

    Show o artigo, muitas dicas legais pra quem procura um intercâmbio. Vela reforçar que inglês é fundamental pra quem quer iniciar um intercâmbio, lá fora se aprende muita coisa legal, a prática diária com fluentes é muito boa para crescimento pessoal.

    • Luísa Ferreira

      É mesmo, Fernando! :) Um abraço

  23. Olá Luiza! Gostei do post, estou pesquisando muito sobre o assunto, sonho em fazer intercâmbio de francês também <3 porém, em Montreal no Canadá. Você por um acaso teria algumas dicas de agências ou dicas pra uma intercambista de primeira viagem, no Canadá?

    • Luísa Ferreira

      Oi, Ozielly! Não tenho nenhuma dica específica pra o Canadá, sinto muito! Mas as agências sobre as quais escuto boas referências são a STB (a única que já usei), CI, IE e Experimento. Pede um orçamento pra eles e os consultores devem te dar boas dicas ^^ Um abraço

  24. luiza

    Parabéns pelo seu blogue!!! é ótimo para que não tem noção de como começar… Neste caso esse alguem sou eu! rs
    Lu, estou me programando para fazer intercambio em 2017, lá p mês de Março em diante, teria alguma dica bacana, alem dessas é claro, que seja mega importante saber?

    Obrigada!

    • Oi, Luiza! Acho que é isso aí mesmo… Vá pesquisando muito e comparando orçamentos desde já, se possível vá começando a pagar e faça um planejamento financeiro incluindo seus gastos básicos e um extra pra despesas emergenciais, pra não passar perrengue :) Boa viagem! \o/

  25. Laís Aguiar

    Olá Luiza, eu só tenho 13 anos e muita vontade de fazer um intercâmbio para o Canadá. Tenho pouquíssima disponibilidade de dinheiro agora, mas estou economizando. Tenho uma parente que mora em Montreal e já me falou que quando eu quiser é só ir, mas sei que não é tão simples assim. A minha pergunta é: Considerando que eu já tenho lugar pra ficar, alimentação e as dicas que ela pode me dar por ter total noção da minha situação e morar lá a muito tempo, VC acha que vale a pena ir por conta própria? Já li vários posts como o seu e estou começando a aceitar a possibilidade principalmente por causa da minha falta de grana. Meu único medo é a minha pouca idade, acho que por mais que eu pesquise e planeje ainda vou ser uma criança sozinha em outro país. Me ajuda?! Beijos e sucesso pro blog!

    • Oi, Laís! Nesse caso acho que depende mais dos seus pais :) Se você vai pra casa de alguém em quem eles confiam e encontrar um curso por lá que também pareça confiável, não vejo necessidade de procurar uma agência de intercâmbio. Talvez você possa ir pedir um orçamento só pra o curso, pra ter uma ideia dos preços e das escolas recomendadas, e fazer todas as perguntas que tem sobre o intercâmbio em Montreal. Pelo que entendi não será necessário buscar acomodação ou transfer e você já tem alguém pra dar as dicas sobre a cidade, né? Converse com sua família e economize; talvez valha a pena juntar dinheiro por mais um tempo e viajar um pouco mais velha :) Um abraço!

  26. Ana

    Oi Luísa. Muito legais suas dicas. Quando você se refere a pouca grana, quer dizer quanto em média? Tenho 47 anis e gostaria d saber quais os melhores países e cidades para uma mulher viajar sozinha tipo, com grana pouca (mesmo), ir trabalhando no caminho, na aventura mesmo?

  27. Amanda Amaral

    Olá, Luísa. Acompanho seu blog há bastante tempo e gosto muito da maneira como organiza os posts, e os temas que escolhe. São muito bons para esclarecer algumas dúvidas pontuais.
    Sei que deve receber perguntar repetidas e que não tem uma resposta ‘x’, mas às vezes me bate uma insegurança sobre o quanto realmente preciso para ficar fora do país um tempo considerável, ainda mais com o valor do dólar e euro.
    Sempre tem a opção de ir para os países vizinhos, porém, minha maior vontade é ir para um lugar mais distante, se der para conciliar com estudo e trabalho melhor ainda.
    BOM: Tenho seguido passos importantes pra juntar essa grana, mas contando que gostaria muito da experiencia de morar em um outro país – e não apenas ‘viajar’, passar poucos dias – com R$ 18 mil, tirando custos de passaporte e seguro, por exemplo, o que é realista planejar?
    às vezes bate uma tristeza tremenda pensando que esse dinheiro vale muito pouco em muitos países, para eu ter uma experiencia de moradora…

    • Oi, Amanda! Que bom que você curte o blog :) Sobre sua pergunta, realmente dá uma pena enorme o quão desvalorizado o Real tá no momento :( No seu caso, a grana daria pra passar poucos meses em algum país barato, como Espanha ou Portugal. Se topar trabalhar, vale considerar programas de trabalho como os Work Experience nos EUA e Au Pair em vários países, porque você sai do Brasil já com um trampo certo. Outra opção seria buscar algo pela Aiesec; tenho muitas críticas em relação à organização por tudo que já li e ouvi de amigos, mas em questão de custo-benefício pode ser uma ótima opção. Com uns R$ 25 mil talvez você consiga também ir pra Irlanda, onde é permitido trabalhar por 20h/semana durante 6 meses e 40h (full time) no período de Natal e nas férias de verão… Um abraço!

  28. Malenna

    Gostei muito do teu site e da tua técnica literária. O que devo fazer ? para que me contate? in box pelo Face. Tenho já uma certa idade complicada o que me pede prá viajar mais e descomplicar tudo !!!. Se me ajudar ,respondendo algumas questões ,serei imensamente grata contato ? Como contata-la de outra formameu telefone ?

    • Oi, Malenna! Por favor faça suas perguntas aqui nos comentários mesmo :) Assim, as respostas podem ser úteis pra outros leitores no futuro. Um abraço!

  29. Aline Almeida

    Oi, Luísa. Encontrei seu blog e estou enlouquecida com tanta informação boa…vou passar muitas horas por aqui. :)
    Estou me planejando pra fazer um intercâmbio de 1 mês. Tenho nível intermediário de inglês e nível avançado de espanhol (preciso melhorar na conversação). Pra 4 semanas apenas de estudo, você recomendaria investir em qual idioma, considerando esse fator?
    Pensei em NY ou Madri…. pela desvalorização do real, faria alguma diferença (em termos de economia) o custo da viagem? (Euro x dólar)

    Obrigada e parabéns pelo site.

    • Oi, Aline! Que massa, espero que as informações ajudem :)
      Pessoalmente, creio que iria pra Espanha, porque se o que sentes falta é conversação, estar lá seria perfeito pra falar muito espanhol e ficar mais satisfeita com teu nível do idioma. Também acho que temos mais acesso à língua inglesa, pela colonização cultural americana, então é algo que acredito ser mais fácil de desenvolver mesmo sem ir pra o país (foi o meu caso; nunca morei em país de língua inglesa e esse é o idioma que mais domino :P). Por outro lado, pode ser que aches mais importante pessoalmente ou profissionalmente avançar no inglês e que isso te deixaria mais feliz, então é algo pessoal também! Apesar de o Euro ser mais caro que o dólar, acredito que dá pra encontrar hospedagens e cursos mais em conta em Madri, porque NY tem um custo de vida beeem alto. Mas pra ter certeza, o ideal seria pesquisar os dois e comparar mesmo. Na verdade, se você quiser economizar mesmo, aconselho optar por uma cidade um pouco menor, mas ainda assim interessante, como Sevilha. Boa sorte! :)

      • Aline Almeida

        Oi, Luísa. Profissionalmente, o espanhol é mais importante pra mim, portanto já é um ponto positivo que vai me ajudar na escolha, né! Não tinha pensado em Sevilha, vou pesquisar os preços de hospedagem no AirBNB e comparar. Muito obrigada pelas dicas! :)

        • Ah, então acho que vale a pena apostar no espanhol sim! :) Além de Sevilha, dá uma olhada em outras cidades que tenham uma “vibe” interessante pra você! Boa sorte :) Um abraço!

          • Aline Almeida

            Oi, Luísa, eu não conheço a Espanha. Então, minha procura está se baseando mais na relação custo x benefício. Além disso, também gostaria que fosse uma cidade com acesso “fácil” para vistar outras cidades e países, pra eu viajar um pouco também. :)
            Eu pretendo ir em setembro ou outubro de 2016 e ainda estou tão indecisa! Preciso decidir e ir adiante! ahha

          • Oi, Aline! Entendo :) Mas considera também o “estilo” da cidade (se é pequena e universitária, como Salamanca, ou de praia, ou mais movimentada, mais fria…) na hora de comparar! Se for uma cidade maiorzinha, como Sevilha, ou se for perto de Madri, como Salamanca, tem acesso fácil pra muitos lugares. Boa sorte!

  30. Mariana

    Olá querida, parabéns pelo blog!!! Eu queria sua opinião sobre meus planos. Eu quero fazer uma graduação fora do Brasil, em community college que é mais barato e tem menor duração. Primeiro preciso fazer um curso preparatório para o IELTS ou TOEFL. Meu foco seria Estados Unidos, mas também gosto muito do Canadá. O que você acha que devo fazer?! Meu nível de inglês é intermediário. Pesquisando acho que o Canadá é mais viável do que os Estados Unidos, pelo dólar e tal. Estou meio perdida! Os preços nas agências para esse curso estão super caros… Pelo jeito terei que ver tudo por conta própria.

    • Mariana

      Esqueci de falar: tenho visto de turista americano. Eu queria muito era estudar e trabalhar, mas no Canadá parece que não pode mais… Mas mesmo ficando só uns 2 meses? Beijo!

    • Oi, Mariana! Não sei te dizer detalhes sobre regras e vistos pra esses países, mas acho que o ideal é ver por conta própria mesmo. Você pode consultar uma agência pra se informar melhor sobre as questões burocráticas, mas provavelmente os cursos e acomodações ficarão mais em conta direto com as instituições. E o Canadá costuma ser mais barato sim… Tem que orçar e comparar! Boa sorte :)

  31. Aline Almeida

    Verdade…vou tentar unir as características que mais me chamam a atenção: um clima ameno (pois curto o frio), fácil acesso para outros lugares e também o custo de vida…espero conseguir. :D
    Obrigada, bjs!

      • Aline Almeida

        Oi, Luísa. Vim aqui dar um update…rs Te pedi dicas pra ficar 1 mês em alguma cidade, e estava super em dúvida e você me ajudou bastante. Acabei encontrando um curso na minha área que será ótimo profissionalmente e vou em setembro pra Barcelona fazer um ‘Máster’ na Universidade Autônoma de Barcelona. :)

        • Oi, Aline! Que massa, fico muito feliz! :D Obrigada pelo update e boa sorte por la \o/

          • Aline Almeida

            Obrigada!! beijos :)

  32. emanuelly

    de todis os intercâmbios que vc fez qual vc mais gostou e que agencia voce usou ?

  33. Stella Maris Pereira Barretto

    Olá Luísa, tenho 15 anos e tenho muita vontade de estudas nos estados unidos e ter uma nova experiencia cultural , porém minha condição financeira não me deixa ir por agência. Você poderia me dar ideias de outras opções que eu poderia seguir para conseguir chegar lá?

    • Oi, Stella! Você estuda em escola pública? Se for o caso, vale a pena tentar participar do programa Jovens Embaixadores :) Se não, você pode procurar saber sobre os intercâmbios do Rotary, mas não sei se é possível fazer parte se você não está ligada à instituição. Outros caminhos são você se preparar bastante pra entrar em uma universidade federal, juntar um pouco de dinheiro e fazer intercâmbio na graduação ou tentar uma bolsa de estudos, ou ainda viajar em um dos programas de estudo e trabalho que as agências oferecem, mas têm custo baixo, como au pair e trabalho remunerado nas férias. Nos dois casos você precisa ter mais de 18 anos e acredito que também tem que estar na faculdade. Pode parecer longe, mas num instante o tempo passa! E com mais tempo você pode explorar todas as opções disponíveis e se preparar pra atender aos pré-requisitos necessários. Ter essa meta já na sua idade é ótimo :) Boa sorte!

      • Stella Maris Pereira Barretto

        Estudo sim! Inclusive estou tentando concorrer uma bolsa de estudos do ensino médio no exterior pelo UWC Brasil. Se você pudesse me ajudar com algumas dicas seria muito gratificante, como por exemplo dicas de apresentação ou citando pessoas que já passaram e oque elas tem á dizer sobre as provas, beijos.

  34. Lohana

    Olá!

    Luísa, adorei seu blog cheio de dicas legais e interessantes, gostaria de saber quanto tempo preciso para programar uma viagem de intercambio, tenho muita vontade de fazer mas nunca coloquei em prática, qual a melhor forma de ir é com empresas de intercambio ou por “minha conta”?

    Att. Lohana

    • Oi, Lohana! Obrigada :) O ideal é voce comecar a planejar pelo menos seis meses antes, mas é possível fazer tudo em muito menos tempo se necessário. Vale a pena pedir orcamentos pra agencias e também pra escolas diretamente (pra ir por conta própria), assim voce compara se a economia seria grande. Pra quem se sente mais inseguro, pode valer mais a pena ir por agencia, mas depende de voce e do programa que voce escolher :) Um abraco!

  35. Excelentes dicas Luísa, você tem razão, o ponto do objetivo é fundamental e faz total diferença para que as expectativas estejam alinhadas. Parabéns!

  36. Romário Nassar

    Olá Luísa tudo bem? Sou formado em Administração e gostaria de ir para o exterior com o intuito de estudar e trabalhar. Estou pensando em fazer uma pós graduação, mais preciso aprimorar meu inglês para obter êxito em meu objetivo. Você recomenda alguma escola de inglês, ou algum curso oferecido online para que eu possa realizar antes de viajar? E para uma Pós Graduação você recomenda uma agência também? Desde já agradeço e estou adorando todas as suas dicas.

  37. joao augusto

    Luisa , eu não sei absolutamente nd de inglês , gostaria de passar um tempo fora, como já dicas dadas nova Zelândia e , canada são países com custos menores, cada ser humano é um mais você acha que sem custo só pela convivência e aprendizado eu consiga aprender um inglês tendo em vista nosso nascimento e aprendendo a falar , será que eu poderia aprender a língua só na convivência ? tem algum programa que já me envie com algum trabalho qualquer ?? e com moradia. gostaria uma experiência de 2 anos fora , e retornar para começar pos gradueition hahahaa , agradeço mt tem sido muito útil suas experiências .

    • Oi, João! Existem programas de estudo + trabalho e só trabalho, durante as férias (especialmente pra universitários) ou por mais tempo (como o de au pair, ou seja, babá). Mas você não consegue um emprego razoável se não falar nada de inglês… Recomendo estudar o máximo possível aqui antes de ir e buscar uma opção que conjugue estudo e trabalho. Alguns países que oferecem isso são Irlanda e Nova Zelândia, por exemplo. Dá pra aprender muita coisa na convivência e acredito que é a melhor forma, mas seria interessante estudar também, pra consolidar seu conhecimento – nem que seja por conta própria :) Um abraço!

  38. Sara

    Ola Luisa, animei em correr atrás do meu sonho e queria umas dicas.
    Estou completa zeradaa então a idéia seria arrumar um emprego e uns freelas pra ajudar a juntar a grana. Meu plano é ir pra algum país que tenha o inglês como língua oficial por uns 6 meses e levar minha namorada cmg. Pensei em ver algum lugar que eu consiga trabalhar. Acho que por uma agência seria mais seguro, porém peo o que teho visto definitivamente não seria a opção mais barata rs
    Me ajuda? Rs

    • Oi, Sara! É bom juntar uma grana inicial mesmo, qualquer que seja o seu plano :) Sobre países onde é possível trabalhar, a maioria exige que você esteja matriculada num curso, então precisarias de grana pra pagar pelas aulas… Dependendo da tua área, talvez consigas um trabalho por meio da Aiesec, por exemplo, mas é bom ter cuidado porque já vi muita gente cair em furada viajando com eles. Ah, e tem também os esquemas de trabalho em troca de hospedagem e alimentação, que mencionei aqui: https://www.janelasabertas.com/2015/02/23/viajar-trabalhando-hospedagem-alimentacao/

      Boa sorte! :)

  39. Leandro Bottoni Trindade

    Adorei suas dicas Luiza, achei bem incentivador para mim que pretendo morar fora (estudar e trabalhar). Estou me informando e pesquisando o máximo para dar tudo certo.

    Obrigado pelas dicas e sucesso!

    • Oi, Leandro! Que massa que as dicas te incentivaram. Vai dar certo, sim! Boa sorte e obrigada por comentar ^^

  40. Ana

    Oi Luisa! Tudo bem? Gostei muito das suas dicas. Tenho interesse neste assunto, pois, penso em fazer intercâmbio futuramente.

Deixe o seu comentário